segunda-feira, maio 26

MAR NOTURNO

Do frio e do sal da tua pele
os meus lábios estão secos
embora completamente
imersa em azul imensidão
não me desespero, ou tenho sede

escuto, calma
o barulho das ondas quebrando
em tuas pálidas costas
com devoção

Um comentário:

  1. Gostei a ponto de achar difícil comentar esse poema.
    Tem uma explanação na primeira estrofe e um quebrar de onda em espuma de sentimento na segunda.
    Mas poema não para explicar mesmo... Muito bom!

    ResponderExcluir

10:20