segunda-feira, abril 23

Viagem

Eu vim! Sou fênix, estado de graça
Efêmera, desci da noite láctea
Desci dos céus e fiz-me carne
Corpo, matéria, cinzas do espaço!

Meu íntegro sonho fez-se em pedaço
Nuvens de hidrogênio, asas de pássaro!
E eu fiquei a Terra, inteira e serena
Os olhos no céu e os pés descalços.

E em dança dentro deste negro buraco
Caio em nuances, e em presságios vago
Rimas erradas por sentimentos bárbaros
Rios inteiros de lágrimas, - eu nado!