terça-feira, janeiro 10

De Repente

Meu poema virou lenda
Penetrou nesta fenda,
Entre o céu, a terra e o mar.

Restou apenas meu saber ser feliz
Meus últimos íntimos versos lancei
Em horas claras e mergulhos anis

Como faíscas manuscritas
Num celeste sem-fim

Como um beijo estendido
A um incógnito querubim

Como minha própria alma,
E tão somente assim.

Um comentário:

10:20