sexta-feira, novembro 11

Pra te levar embora

Eu só não queria ter que me desfazer de tudo de ti agora, mesmo que tudo seja muito pouco. Não fora essa minha escolha. Tudo bem, tudo bem. A vida e o tempo e os céus e os livros e tudo mais sem fim e os outros e as estradas e os passos sem caminho irão te extrair de mim. Se nada disso adiantar, entregue a fogo e a ferida eu o farei, não importa o quanto se sangre. Não te darei um minuto a mais ou um minuto a menos que teu tempo necessário. Irás arder em mim o quanto for preciso, até que completo se consuma, não restando nem a cinza, apenas o vento triste da memória.

E agora?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

10:20