quarta-feira, novembro 2

Aluga-se

Essa casa branca e simpática cheia de janelas azuis e grandes bem no meio do centro da cidade daríamos certo lá entre janelas e janelas e janelas tapetes sofás cadeiras espelhos fantasmas criados mudos paredes e portas que arrancamos então camas  mesas e cinzeiros os móveis na sala grande ou em qualquer lugar manchados de sexo, amor, vinho e insonia toda em fumaça e todo mundo não entendendo nada tanto faz sonho ou música ou sussurro barulho. Silêncio! As sinfonias! tudo no mais alto volume e as pessoas cegas surdas mudas burras que passassem não se importariam com dois loucos como nós.

Uma pena que a casa já não esteja mais lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

10:20