quinta-feira, setembro 15

Conflito

Quem sou,
se minha voz é silêncio
e num reflexo claro
desconheço meu olhar.
Absorto, distraído,
profano e esvaído...
Há uma denuncia,
quiçá, uma renuncia,
há um segredo triste
escondido ali

A noite dos olhos parece sussurrar:

Oh, frágil,
Fez do frio
o teu alento...
Rende-te,
antes que seja tarde.
Amanhã é sempre um sonho ruim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

10:20